quarta-feira, 15 de julho de 2009

Criança & TV: Desenvolvimento comprometido?

Crianças que passam muito tempo assistindo à televisão acabam falando e ouvindo menos, e comprometem seu desenvolvimento. Foi isso que um estudo realizado no Seattle Children's Research Institute, nos Estados Unidos, mostrou. Tanto as crianças quanto os adultos conversariam menos na presença do som de uma TV. Os especialistas já sabiam que a exposição televisiva durante a infância está associada com atrasos na fala e no trabalho do cérebro, mas não conheciam a razão.

Esta pesquisa é a primeira pista sobre o assunto. Nela foram analisadas 329 crianças entre 2 meses e 4 anos de idade. Elas usaram, durante dois anos por até 16 horas diárias, um colete especial com gravadores digitais que captavam sua fala, a dos adultos ao seu redor e o som da TV. E o resultado foi espantoso: a cada hora de televisão assistida, 770 palavras a menos a criança ouvia.

Como, segundo o coordenador da pesquisa, Dimitri A Christakis, um adulto fala em média 941 palavras por hora, isso significa que eles quase não falam quando a televisão está ligada. Para Christakis, esse resultado pode explicar a associação entre exposição televisiva infantil e retardo no desenvolvimento da linguagem, atrasos cognitivos e até deficit de atenção, já que a fala é essencial para o desenvolvimento cerebral.

Para a equipe de Neurologia Infantil da Unesp-Botucatu, em São Paulo, o resultado da pesquisa não pode ser visto como conclusivo. "Pela técnica usada, não dá para ter certeza se a criança estava assistindo à televisão ou apenas no mesmo ambiente. Também não dá para saber que tipo de programa passava. Mas um dado interessante é que com a TV ligada, assistindo ou não, os adultos falam menos e isso realmente pode interferir no desenvolvimento dela. Já está provado pela ciência que quanto mais estímulos, conversas e brincadeira um bebê tem, melhor será o seu crescimento", diz a neuropediatra Lara Cristina Antunes dos Santos. "Para o estudo ser mais completo, os especialistas deveriam realizar uma avaliação posterior do desenvolvimento de cada criança".

Dicas para lidar com a televisão:
- até os 2 anos de idade, evite que seu filho veja TV. É melhor escolher atividades que estimulam a linguagem e o desenvolvimento cerebral, como falar, jogar, ler, cantar e ouvir música

- depois dos 2 anos, a criança deve assistir a programas voltados para o universo infantil. Investigue os programas antes, na imprensa ou nos guias especializados, pois até desenhos animados podem ter uma certa violência

- coloque um limite de duas horas por dia. Se der para ser menos, melhor. E assista junto com seu filho, conversem sobre o programa que está sendo visto

- não ligue a televisão na hora das refeições

- não use a TV como recompensa ou como babá

- dê alternativas interessantes para a criança fazer, assim ela "esquece" a televisão

- não coloque um aparelho no quarto da criança

- lembre-se de que a televisão é um instrumento. Pode ser ruim ou bom, depende da forma que você usa

* texto de monica brandão, publicado originalmente no site da revista crescer

Um comentário:

Paulo Roberto Montanaro disse...

Olá Shirley. Tudo bom?

Ótimo texto e uma pesquisa surpreendente. Discordo um pouquinho de algumas das recomendações da neurologista, mesmo sendo bem menos gabaritado que ela, já que trabalho com Tv educativa e acredito que a TV, mesmo antes dos dois anos, pode ser um ótimo estímulo, não só para o desenvolvimento cognitivo, mas principalmente para o desenvolvimento sensorial, desde que bem usada. Por meio dela, podemos ter acesso a uma infinidade de elementos que não temos de outra forma. É que os cientistas ainda acreditam que aprendemos mais pela palavra e menos pela imagem, o que não é bem verdade na minha opinião...

Há braços