quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Cinema: O Corajoso Ratinho Despereaux

Dirigida por Sam Fell (de Por Água Abaixo) e o estreante na direção Robert Stevenhagen, a animação O Corajoso Ratinho Despereaux é adaptação do livro infantil A História de Despereaux, escrito por Kate DiCamillo. Com traços elegantes, a produção deve atrair principalmente aos espectadores mais novos por conta de sua história edificante e um protagonista carismático, mas de uma forma mais infantil.

O protagonista, no caso, é o camundongo que dá nome ao filme, Despereaux. Nascido sem medo algum - diferentemente dos seus semelhantes -, é motivo de preocupação para pais e professores. Paralelamente, acompanhamos também a história da ratazana Roscuro. E, como todos sabem, camundongos e ratazanas não se dão bem, mas a história de O Corajoso Ratinho Despereaux tem como mote principal apresentar ao público que nem sempre as aparências equivalem à verdade - esta aí a mensagem edificante - e ratazanas podem ser amigas de camundongos, que podem sim ser corajosos como o orelhudo personagem que dá nome à animação.

Além desses dois personagens, também há uma jovem empregada que sempre acreditou ser uma princesa, apesar de desengonçada e pobre. Desta forma, acompanhamos a jornada desses personagens que tentam vencer a barreira das aparências para, finalmente, mostrar ao mundo o que realmente sentem por baixo de suas figuras e o preconceito que provocam. O roteiro do filme não é complexo e as mensagens que ele tenta passar são bastante claras: as aparências enganam.

A simplicidade do texto faz com que os espectadores mais jovens possam apreciar o filme. Ao mesmo tempo, não há muitos toques cômicos na animação, que preza por um estilo mais elegante - tanto na narrativa quanto no desenho - para encantar o público. Uma proposta ousada, principalmente se a idéia for atrair um grande público às bilheterias, mas não deve decepcionar aos que puderem dar a chance a esta animação única e bonita.


Exibição: a partir do dia 16, sexta, nos cinemas de todo país

Classificação: livre

(angélica bito)

* A amiga jornalista Angélica Bito - de quem aprecio muito o trabalho - escreve para o site CineClick (um endereço bacana que traz críticas e informações sobre o universo cinematográfico)

2 comentários:

Ana, Aprendiz de Anjo disse...

Oi Shirley, nossa! Tem umas coisas bem legais aqui. Faz anos que não via o Mestre, da caverna do dragão, assisti na minha adolescência; época boa em que se faziam desenhos maravilhosos para crianças. Beijos

shirley paradizo disse...

Oi, Ana, obrigada pelos elogios! Eu tb era uma grande fã de Caverna do Dragão!

abs
shirley