sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Estréia: Transformers

Quando se avalia um filme como Transformers, há uma série de questões que devem ser levadas em consideração, principalmente a proposta de um filme como este. Além das pretensões monetárias, que permeia todos os blockbusters, Transformers também pretende explorar o lado "menino" de todo espectador, independente do gênero. Ou seja, os que gostam de carros que se transformam em robôs gigantes e destruidores, com certeza, se divertirão durante a sessão do longa-metragem.

Dirigido por Michael Bay (de A Ilha), Transformers traz de volta às telonas os robôs da popular linha de brinquedos e desenhos animados que povoaram a infância dos que a viveram nos anos 80. A história (se é que isso interessa) é desenvolvida em dois núcleos paralelamente. Primeiro, temos o exército norte-americano que, claro, precisa salvar o mundo da destruição provocada por uma luta que nós, terráqueos, não temos muito a ver. No antigo planeta de Cybertron, os nativos desenvolveram duas raças de robôs para servi-los: Autobots (operários) e Decepticons (militares).

No entanto, as criaturas, com inteligência própria, se revoltaram e iniciaram uma guerra. Enquanto os Autobots (o lado do bem da história, no caso) passaram a percorrer o universo em busca de novas fontes de energia, os Decepticons (os vilões) também querem esta fonte, mas na base da "porrada". Desta forma, esse embate entre os robôs pacíficos e militares vai parar no planeta Terra. Disfarçados em formas de automóveis, eles percorrem o mundo numa guerra que está prestes a explodir.

Neste panorama, entra Sam (Shia LaBeouf), um adolescente como outro qualquer que quer um carro para conseguir conquistar as garotas. Ele consegue um Chevrolet Camaro amarelo, que depois revela ser um Autobot. Assim, o jovem exerce papel fundamental na batalha.Com efeitos especiais impressionantes, especialmente nos momentos em que os personagens alienígenas passam por transmutações, Transformers é um grandioso filme de ação.

Definitivamente, o roteiro não é dos melhores; os personagens são rasos e construídos em cima de clichês - com exceção de Sam, que tem um humor bastante sagaz e afiado (o que não é muito difícil em meio a tantas explosões e diálogos vazios); a visão dos acontecimentos é maniqueísta e as atuações deixam a desejar. No entanto, não há como negar que a produção cumpre seu papel de proporcionar um entretenimento vazio e barulhento ao público que procura isso no cinema.

Transformers desperta o lado infantil do espectador, independente da idade. Afinal, qual menino nunca imaginou seus brinquedos Transformers destruindo cidades enquanto brincava? Bay realiza essas fantasias neste longa-metragem que custou nada menos do que US$ 147 milhões. O público mais novo também deve se divertir com a produção, capaz de reunir os elementos que compõem um eletrizante filme de ação, como boas cenas de perseguição e, o que mais interessa neste caso, caprichados efeitos especiais. Alguém esperava mais do que isso?

Estréia: dia 29, 22h, Telecine Premium

Indicação: a partir de 10 anos

(angélica bito)

* A amiga jornalista Angélica Bito - de quem aprecio muito o trabalho - escreve para o site CineClick (um endereço bacana que traz críticas e informações sobre o universo cinematográfico)

Aventura sem limites

A Disney Brasil divulgou o título nacional de seu mais novo animado em parceria com a Pixar Animation Studios: Up - Altas Aventuras. Dirigido por Pete Docter (de Monstros S.A.), o desenho é sobre Carl Fredricksen, um senhor idoso que passou toda a sua vida sonhando em explorar o planeta e viver plenamente a vida. Porém, aos 78 anos de idade, a oportunidade parece ter passado por ele até que uma reviravolta do destino e um persistente explorador da natureza de 8 anos chamado Russell lhe dão uma segunda chance na vida.

Up - Altas Aventuras está previsto para chegar aos cinemas americanos no dia 29 de maio de 2009, em Disney Digital 3-D. No Brasil, a estréia está programada para 24 de julho. Assista ao vídeo dublado aqui.

(shirley paradizo)

Da minha coleção...



Furball é uma divertida animação criada por Paul Baaske, Sebi Falkner e Johannes Fiflhuber, estudantes da Fachhochschule Salzburg, e com trilha sonora assinada por Michi Schoenrock. O curta conta a história de um “desafio de miados” com dois gatos, claro, durante uma noite. Qual deles vai consegue acordar mais pessoas? Quer saber? Então, assista ao vídeo!

(shirley paradizo)

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Pixar prepara novo animado

A Pixar Animation revelou qual será seu próximo animado, a ser lançado no Natal de 2011 e em o tecnologia Disney Digital 3D. Dirigido por Brenda Chapman (de O Príncipe do Egito e O Rei Leão) e com a produção de Katherine Sarafian (do curta Quase Abduzido), The Bear and the Bow (em tradução livre, O Urso e o Arco) se destaca por apresentar a primeira princesa da história do estúdio.

É na Escócia onde vamos conhecer a impetuosa Merida, que apesar de ser filha de nobres, prefere deixar sua marca como grande arqueira. O choque de desejos com sua mãe a leva a fazer uma escolha imprudente que acaba, sem querer, colocando em perigo o reino de seu pai e a vida de sua mãe. Merida luta contra as forças imprevisíveis da natureza, magias e uma terrível maldição antiga para consertar seus erros.

Combinando humor e fantasia e emoção, a animação traz em seu elenco de dubladores Reese Witherspoon (de Legalmente Loira), Billy Connolly (de Desventuras em Série) e Emma Thompson (de Harry Potter e a Ordem de Fênix).

O animado, inspirado por uma lenda celta, irá apresentar o estilo sombrio dos contos de fadas dos Irmãos Grimm, além de ser rico em elementos místicos, incluindo um antigo anel de pedras (que existe na Escócia na vida real e é mais velho do que Stonehenge), uma caverna secreta, uma bruxa e uma criatura amaldiçoada (um urso de 15 metros).

(shirley paradizo)

Hora de fazer arte!

O YouTube anunciou nesta semana a segunda edição do concurso de curta-metragens Project:Direct, que no ano passado deu o prêmio ao vídeo brasileiro Laços. Segundo o site, o projeto em parceria com o Sundance Film Festival visa revelar talentos e engajar a comunidade do YouTube - os internautas são os responsáveis pela escolha do melhor curta. Podem participar do concurso cineastas do Brasil, Canadá, França, Itália, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, que inscreverem seus trabalhos no site oficial até dia 14 de dezembro. Após esse período, um painel escolherá os dez semifinalistas, para que o público vote no curta de sua preferência.

O vencedor do Project:Direct será convidado do Sundance Film Festival, e terá seu filme exibido na programação não-oficial do evento. A versão 2009 do festival acontece de 15 a 25 de janeiro em Utah, nos EUA. Ele ainda vai receber um prêmio em dinheiro e, assim como o segundo e terceiro colocados, terá seu filme distribuído em DVD durante o festival americano. Se o ganhador for brasileiro, porém, o valor em dinheiro será substituído por prêmio de valor equivalente, segundo o regulamento - seja lá o que isso signifique!

Os filmes inscritos devem ter, no máximo, cinco minutos e ter, obrigatoriamente, dois itens escolhidos de uma lista que comemora os 25 anos do Sundance Film Festival, além de um telefone vermelho. Para ver a lista com esses objetos, clique aqui e vá em "choose props".

* Fonte: site Globo.com

Seu filho vê: Os Substitutos

Dois irmãos órfãos que adotam uma família são os protagonistas de Os Substitutos. A vida de Riley e Todd muda completamente quando eles deparam com um anúncio em um livro de histórias em quadrinhos que oferece novos pais por apenas US$ 1,98, diretamente de uma empresa de Ohio, nos Estados Unidos. Sem pensar duas vezes, eles decidem arriscar.

Sua nova família é para lá de estranha. A mãe, inglesa, é é espiã internacional que usa o codinome Agente K. Já o pai, Dick Daring, é um famoso artista que desafia o perigo em acrobacias incríveis. E ainda há um carro, chamado C.A.R.T.E.R. O automóvel é um espião internacional que não consegue ficar de boca e companheiro da Agente K. Mas Riley e Todd não são obrigados a ficar com essa família.

A qualquer momento eles podem substituir os adultos de sua vida mediante uma simples ligação para Conrad Fleem, o dono da empresa de Ohio. Ao longo dos episódios, as crianças começam a testar outros substitutos tão inusitados quanto esses, vivendo as mais fantásticas, divertidas e absurdas aventuras.

Exibição: segunda a sexta, 15h30, Disney Channel

Indicação: a partir de 7 anos

(shirley paradizo)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Direto das savanas

O animado Madagascar 2: A Grande Escapada está chegando às telas brasileiras, mais precisamente no dia 12 de dezembro. Nos Estados Unidos, apesar de não ter sido uma unanimidade de crítica, foi bem cotado e considerado melhor que o desenho original.

Em homenagem ao sucesso de público, o pessoal do site
Smelly Cat, recentemente postou em sua página os créditos finais do desenho, uma sequência em 2D que traz os personagens da animação ao som de I Like to Move It. Vale conferir.

(shirley paradizo)

Ex-Beatle se junta à família do ogro

Há algum tempo está pipocando na internet rumores de que o ex-Beatle Paul McCartney, 66, pode não só colaborar com a trilha sonora de Shrek 4, mas também emprestar sua voz para um dos personagens centrais do novo filme da franquia. Se os boatos forem confirmados, o músico vai se juntar ao elenco de astros dubladores já consagrados em seus papéis no animado da DreamWorks, entre eles eles Mike Meyer (Shrek), Cameron Diaz (Fiona), Eddie Murphy (Burro) e Antonio Banderas (Gato de Botas).

"A saga de Shrek conta com uma tradição de orgulho por conseguir estrelas para suas produções, e McCartney é até agora o mais importante de todos", disse um porta-voz do filme hollywoodiano. Será mesmo que ele vai aceitar? Bem, se depender de seu filha, Beatrice, com certeza. A menina já declarou que adora o ogro verde.

Mike Mitchell (de Gigolô por Acidente) será o diretor da quarta aventura. Em relação à trama, pouco se sabe, mas tudo indica que será em torno das origens do ogro. Shrek Goes Forth está previsto para estrear em 4 de maio de 2010.

(shirley paradizo)

Outro herói protagoniza animação

Depois de Homem de Ferro e VIngadores, outro ícone da Marvel vai ganhar uma telessérie animada. O herói da vez é Thor - aquele do martelo - cujas primeiras imagens já estão sendo divulgadas. Por enquanto, são apenas visuais de cenário e não trazem o personagem.

A Marvel Animation está produzindo uma primeira leva de 26 episódios de meia-hora, que devem estrear no final de 2010, seguindo o lançamento do filme do Deus do Trovão, previsto para 4 de junho de 2010. A trama do desenho segue a mitologia já bem conhecida do público das HQs, com Thor defendendo Asgard de seres fantásticos, hordas inimigas, gigantes raivosos, etc. Loki, Balder e os três guerreiros - Frandal, o Galante; Hogun, o Severo; e Volstag, o Volumoso - são alguns dos coadjuvantes com presença garantida.

Criado por Jack Kirb e Stan Lee, um dos mais poderosos membros dos Vingadores foi inspiraram nas lendas nórdicas, com seus deuses e ameaças tão fantásticas. Assim foi criado um dos mais poderosos membros dos Vingadores. Filho de Odin, o Deus supremo de Asgard (o céu dos nórdicos) e de Gaia a deusa da Terra, Thor é o príncipe de um outro mundo existente em uma dimensão acima de Midgard, a Terra.

Nesse mundo existem outros reinos como a terra dos gigantes de gelo e Valhalla, o lugar para onde vão os espíritos dos guerreiros que morrem em combate. Os nove universos de Asgard são ligados pela Ponte do Arco-Íris, que é guardada por Heindall, o eterno guardião da ponte.

O herói tem um irmão adotivo chamado Loki, o traiçoeiro deus das trapaças e mentiras. Devido à sua má índole e à inveja que sente por Thor ser o filho mais querido de Odin, Loki está sempre armando planos para matar o irmão e, assim, tomar assumir o reinado de Asgard.

A versão animada de Thor poderá ser vista apenas no DVD Hulk vs., previsto para chegar às prateleiras das americanas em janeiro.

(shirley paradizo)

Criança & TV: Elas querem novelinhas

"Live action". Esse é o termo do momento entre os canais para crianças e pré-adolescentes. Engloba tudo o que não é desenho animado, mas produzido com pessoas "de verdade", como séries, programas com apresentadores, "reality shows" e até novelinhas. "É um fenômeno recente entre crianças a partir de uns 7, 8 anos. Esses programas geram uma identificação imediata com o público. Eles gostam de tramas que falam do primeiro romance, de moda, da escola, que tenham algo 'real'. Mesmo os desenhos animados para essa fase estão se aproximando do 'real'", diz Carolina Vianna, diretora de marketing no Brasil da Viacom, da Nickelodeon.

André Rossi, gerente de programação do Discovery Kids, observa a tendência entre pré-escolares. Por isso, o canal investiu em novas atrações com pessoas, como As Aventuras de Bindi (imagem acima), com uma garota que fala da natureza, e Mister Maker, no qual o apresentador ensina a fazer trabalhos manuais. Na opinião de Vianna, isso tem a ver com "a precocidade das crianças, o avanço da tecnologia, a internet".

Entre os sucessos do Nickelodeon nessa área estão o "reality" The Naked Brothers Band (dois irmãos que tocam rock) e o seriado iCarly (cantora que começa a carreira na escola). Como se pode ver, são "parentes" do megafenômeno do "live action", o High School Musical, do Disney Channel.

Tem também Karku, a primeira novela teen exibida no Nickelodeon, do Chile. No próximo ano, estréiam uma trama da Venezuela e outra realizada na Argentina. E já está nos planos do canal Boomerang lançar a produção de uma novela feita no Brasil, Dance, Dance, Dance, e do Cartoon Network, um desenho ao estilo dos reality, Ilha dos Desafios.

* Texto de Laura Mattos, publicado originalmente na Folha de S.Paulo

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Você acredita em fadas?

Mais uma vez passeando de site em site encontrei esse texto bem bacana feito pela amiga Cristiane Rogerio, da revista Crescer sobre Thinker Bell. Uma boa ocasião para fazermos uma homenagem à nossa querida fadinha, que recentemente ganhou uma estátua de cera no museu Madame Tussauds, de Londres (leia aqui).

Não era exatamente uma luz, mas alguma coisa que faiscava com incrível rapidez, deixando atrás de si rastros luminosos. Quando ela parava por um segundo, podia-se ver que se tratava de uma fada e que não era maior do que a mão de uma criança, pois ainda estava em fase de crescimento. Ela se chamava Sininho e estava vestida com uma folha minúscula, de corte reto, que lhe caía muitíssimo bem. Sininho tinha uma ligeira tendência a engordar. Assim o escocês James M. Barrie apresentou ao mundo Sininho, a melhor amiga do menino que não queria crescer, em 1911, no livro Peter Pan e Wendy.

De lá para cá, ela se transformou um bocado. Nos palcos (a história nasceu como peça de teatro), Sininho era somente uma luz que voava e distribuía seu pó mágico de fada. Na primeira versão de Walt Disney, lançada 40 anos depois, a fada ganhou forma, mas é somente agora que o público poderá ouvir sua voz, em uma série de quatro animações, disponíveis em DVDs. O nome “Sininho” fica agora restrito ao livro. A Disney só vai se referir a ela por Tinker Bell, inclusive no Brasil.

A primeira aventura exclusiva
Tinker Bell – Uma Aventura no Mundo das Fadas vai fascinar os pequenos. Mostra o nascimento da criatura inventada por Barrie e as suas aventuras no Refúgio das Fadas, o lugar destes mágicos seres na Terra do Nunca. Em seus primeiros minutos de vida, Tinker descobre-se uma fada-artesã (tinker significa algo como “consertadora de objetos”), mas, de início, não fica lá muito feliz com sua habilidade. Ela suspira mesmo é pelos talentos de suas amigas Rosetta (a do jardim), Silvermist (a da água), Fawn (a dos animais) e Iridessa (a da luz), as fadas da natureza que vão ao continente para mudar as estações do ano. Até, claro, que uma sucessão de trapalhadas e acontecimentos faz a fada refletir sobre si mesma e descobrir a importância de seu talento.

Por que acreditamos em fadas?
As fadas aparecem em diferentes culturas e regiões do mundo, mas pesquisas apontam que a origem da crença ocorreu com os celtas, povo que migrou para a Europa Central, em 2000 a.C. “Tornaram-se conhecidas como seres fantásticos ou imaginários, de grande beleza, que se apresentavam sob forma de mulher. Dotadas de virtudes e poderes sobrenaturais, interferem na vida dos homens, para auxiliá-los em situações-limite, quando já nenhuma solução natural seria possível”, diz Nelly Novaes Coelho no livro O Conto de Fadas – Símbolos, Mitos, Arquétipos (Ed. Paulinas).

Para Melinda Johnson, autora de Tinker Bell – An Evolution (que acaba de ser lançado nos Estados Unidos e sem previsão para o Brasil) e uma das consultoras da Disney sobre o assunto, esses contos e histórias sobrevivem em grande parte por causa das crianças. “Elas têm uma tremenda capacidade para a fé nas pessoas e nas coisas que não podem ser vistas.” A fada representaria essa esperança.

Cultivar a imaginação é uma parte importante da infância: está relacionada à capacidade de a criança construir ferramentas fundamentais rumo à fase adulta. “São ferramentas como a habilidade para ver o mundo sob diferentes perspectivas, desenvolver um senso de atitudes alegres, introduzir o conceito de fé e, por último, criar um método de explicar o inexplicável”, diz Melinda. Confira essa conversa exlcusiva que a autora teve com Crescer.

O que você sabe sobre a origem de Tinker Bell e como Walt Disney a conheceu?
Tinker Bell é uma fada especial que nasceu da imaginação de James M. Barrie, autor de Peter Pan. De acordo com ele, “quando um bebê ri pela primeira vez, uma nova fada nasce e como há sempre novos bebês, sempre haverá novas fadas”. O filme explora a chegada de Tinker no Refúgio das Fadas e como ela descobre seu talento único. Quando Walt Disney era muito novo, ele viu uma produção da famosa peça de Barrie e foi imediatamente cativado pelas aventuras de Peter Pan e o raio de luz dançante, que era Tinker Bell. Pouco tempo depois do lançamento do filme, em 1953, Walt Disney estava abrindo uma filial na televisão e procurava um personagem que apresentasse um programa semanal sobre a Disney. Tinker Bell era perfeita para levar o mundo mágico de aventura Disney aos lares, todas as semanas. Alguns atribuem isso ao seu jeito briguento e suas maneiras divertidas de demonstrar amor, enquanto outros apenas se apaixonam pelos seus olhos arregalados e seu jeito travesso. Pessoalmente, acho que é tudo que ela expressa: fantasia e magia, aventura e pó de fada!

Você acompanhou as mudanças que foram feitas para o novo filme. Como aconteceu esta pesquisa?
Os produtores fizeram uma profunda pesquisa no trabalho de Barrie, como também no de Walt Disney, com atenção especial ao material de Marc Davis, que desenhou Tinker como a conhecemos. Brad Raymond (o diretor do filme) e seu time lapidaram e definiram o extraordinário mundo do Refúgio das Fadas, onde Tinker vive, com o cuidado de mostrar um mundo sob a perspectiva das fadas (os produtores passaram um período observando tudo “de baixo”, imaginando-se uma pequena fada em um mundo grande).

O que significa Tinker Bell ter agora uma voz e um filme só para ela?
Ela sempre falou, mas nunca fomos capazes de entendê-la – Peter Pan podia ouvi-la e ele muitas vezes traduzia a quem não conseguia entender. A maior diferença é que agora, pela primeira vez, o público é capaz de entender seu mundo mágico e o reino das fadas.

Do que você mais gosta em Tinker Bell?
Acho que é o fato de ela expressar uma maravilhosa mistura de magia e alegria para tantas pessoas no mundo todo.

E você, Melinda, acredita em fadas?
Eu acredito!

* Texto e entrevista feitos por Cristiane Rogerio, publicado originalmente no site da revista Crescer

Capitão América nos cinemas

E mais um herói da Marvel ganha adaptação. Joe Johnston (de Parque dos Dinossauros 3 e Jumanji) foi escolhido para dirigir a versão do personagem Capitão América para os cinemas, de acordo com a Hollywood Reporter. Batizada de First Avenger: Captain America (Primeiro Vingador: Capitão América, em tradução livre), a aventura deve chegar às telas em 6 de maio de 2011.

No mesmo ano, a Marvel planeja lançar um longa coletivo do grupo de heróis das HQs conhecido como Vingadores - que também inclui Homem de Ferro, Thor e Hulk. De acordo com a Hollywood Reporter, o filme de Capitão América será ambientado na Segunda Guerra Mundial.

Na história, Steve Rogers nasceu durante a Grande Depressão e cresceu em uma família pobre. Ao ver o nazismo tomar conta da Europa, ele decide entrar para o exército, mas é recusado devido à sua fragilidade. O general Chester Phillips chama Rogers para participar de um experimento especial chamado Operação Renascimento. Durante semanas, Rogers recebeu o `soro super-soldados´ e foi bombardeado com `raios vista´, saindo com um corpo perfeito para um ser humano.

Depois de três meses de intensivo treinamento físico, ele recebe sua primeira missão como Capitão América. Armado com seu escudo indestrutível e seu conhecimento, travou batalhas contra o mal como guarda da liberdade e também como líder dos Vingadores.

O roteiro está nas mãos de Stephen McFeely e Christopher Markus (co-roteiristas de As Crônicas de Nárnia: O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa). Já o elenco ainda não foi definido.

(shirley paradizo)

Vampiros na liderança

Para a surpresa de muita gente, a adaptação cinematográfica do best seller de Stephenie Meyer, Crepúsculo (leia mais aqui) arrecadou mais do que o esperado nas bilheterias americanas. O filme teve uma estréia na última sexta superior a blockbusters como 007 - Quantum of Solace e faturou US$ 70,55 milhões em três dias, conquistando o título de a quarta maior abertura de 2008, atrás apenas de Batman, Indiana Jones e Homem de Ferro.

No filme, Isabella Swan é uma garota de 17 anos que se muda para uma cidadezinha chamada Forks para morar com seu pai, o chefe de polícia local. Tentando se adaptar ao ritmo da nova escola, ela conhece os irmãos Cullen. Belos, pálidos e hostis, eles preferem não manter contato com os colegas de classe. Mas não demora para Bella se apaixonar por Edward Cullen, que logo a avisa que o amor deles é perigoso e praticamente impossível.

O que chama a atenção para o livro - e agora o filme - é o fato de a autora inovar o gênero vampiresco ao apresentar uma família de sanguessugas 'vegetarianos’, que não dorme em caixões, caminham à luz do dia, convive pacificamente com os humanos e, mais interessante, cada um deles possui um talento especial, como ler pensamentos, ver o futuro e ter a habilidade de manipular os sentimentos das pessoas que estão próximas.

A linguagem, a descrição detalhada das ações e dos sentimentos da protagonista são outros pontos altos da obra, que garantem muito suspense e uma leitura deliciosa, difícil de largar antes de se alcançar a última página. No Brasil, o filme está previsto para estrear em dezembro.

(shirley paradizo)

Sininho vira peça de museu

Para comemorar o lançamento mundial do primeiro animado solo da fada mais famosa do planeta, Tinker Bell: Uma Aventura no Mundo das Fadas (leia mais aqui), o museu de cera Madame Tussauds, de Londres, imortalizou a personagem com uma estátua de cera. Dessa forma, Sininho se tornou a menor personalidade do mundo a ganhar uma estátua de cera na história.

"Sem dúvida, algumas celebridades são menores que outras. Mas até então não havíamos trabalhado em uma estátua tão pequena quanto a de Tinker Bell, que tem apenas 13 centímetros de altura", disse Liz Edwards, relações públicas do museu Madame Tussauds. "Nosso time empregou as mesmas técnicas e ferramentas, ainda que a escala tenha sido muito menor - o que exigiu um trabalho muito mais preciso", completa.

Ela acredita ainda que, depois de estudarem centenas de desenhos, fotos em 3D e imagens da superstar, extraídas do novo filme, o time de artistas conseguiu captar com perfeição a forma de Tinker Bell. E você, acha a estátua realmente está à altura da nossa amada Sininho?

(shirley paradizo)

Literatura: Você É um Homem Mau, Sr. Gum!

Um velho muito feio e sujo que odeia crianças, animais e diversão passa o seu preciosos tempo armando planos maquiavélicos para os personagens de Você É um Homem Mau, Sr. Gum! (Galera Record, R$ 25). Apesar de suas malvadezas - e ninguém sabe muito bem por quê - ele tem o jardim mais verde e florido de toda Lamonic Bibber.

Certo dia, um cão de rua decide adotar o jardim do Sr. Gum para brincar, o que não agrada muito o velho rabugento. Não demora para o caos se instalar na cidade. A única que pode ajudar o pobre cachorro das garras do velhote é uma garotinha de nome impronunciável conhecida apenas como Polly.

Primeiro de quatro livros do inglês Andy Stanton a ser traduzido no Brasil, Você É um Homem Mau, Sr. Gum! é repleto de situações bizarras e hilárias, que são acentuadas por recursos de gráficos e ilustrações bem típicas do humor inglês. O livro - que já vendeu mais de 300 mil cópias somente na Inglaterra - recebeu no ano passado o prêmio Red House Children's Award, concedido na Inglaterra a partir do voto de crianças.

Em breve, deve ganhar uma versão para a TV pelas mãos dos estúdios Nickelodeon, que trabalha na produção de um piloto e planeja levar o programa ao ar ainda este ano nos Estados Unidos. Em entrevista ao jornal inglês The Observer, em março deste ano, Stanton conta que criou Sr. Gum em uma noite de Natal. "Estava sem dinheiro, então escrevi o livro como um presente para meus sobrinhos, para fazê-los rir", disse ao jornal, que o define como uma versão comediante de Roald Dahl, autor de A Fantástica Fábrica de Chocolate. O que Stanton não imaginava é que podia conquistar sobrinhos e seus tios pelo mundo todo.

(shirley paradizo)

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Bolt chega aos cinemas americanos

Um cachorro branco que crê ter superpoderes protagoniza Bolt, o novo desenho animado da Disney que estréia nesta sexta-feira (21) nos cinemas americanos e é produzido por John Lasseter, o criador de filmes como Toy Story (1995), Procurando Nemo (2003), Carros (2006)Ratatouille (2007) e Wall.E (2008).

A fita conta, com humor, o drama de um cão chamado Bolt, que trabalha como supercachorro para a televisão, que sempre procura resgatar a dona, "Penny", a menina que protagoniza suas aventuras diante das câmeras. Em sua missão, a primeira fora do mundo da TV, o animal, cujo desenho foi inspirado em um pastor alemão, encontrará o apoio de um gato de rua e um hamster que lhe acompanharão em uma aventura que os levarão de costa a costa nos Estados Unidos.

John Lasseter, diretor de criação do estúdio Pixar, autou como produtor-executivo do filme, que, em sua versão original, teve vozes de John Travolta (Bolt) e Miley Cyrus (Penny). "Lasseter deu uma dinâmica nova na área na qual estou envolvido, criação dos personagens, e conseguimos fazer o filme em muito pouco tempo", explicou à Agência Efe Carlos Cabral, animador da Disney que trabalhou em produções da DreamWorks como O Espanta-Tubarões (2004).

Bolt marca a estréia de Travolta no mundo dos desenhos, o que o ator procurava há tempos. "Um dia, me dei conta de que eu nunca tinha feito isso, mas não encontrava um projeto que me entusiasmasse e também não queria participar de um filme de animação só por participar. Eu queria trabalhar no melhor filme possível", comentou o protagonista de Pulp Fiction - Tempo de Violência (1994). Uma das recompensas do filme, para Travolta, foi poder apresentar à filha de 8 anos a atriz e cantora Miley Cyrus, a adolescente que dá vida a Hannah Montana na popular série da Disney.

Um entusiasmo partilhado pela jovem atriz, também nova em filmes de animação, que se emocionou quando soube que compartilharia a cena - mesmo que fictícia - com Travolta. "Ele é tão encantador... quanto mais nos vimos, mais química fomos tendo (sobre a história)", disse Miley, que originalmente não trabalharia no filme devido ao sotaque do sul dos EUA, mas, após os primeiros testes, sua voz deslumbrou os produtores e ela ganhou a personagem. Bolt chega aos cinemas tanto em duas dimensões quanto em 3D. No Brasil, o animado deve estrear em 2 de janeiro. Confira o trailer abaixo.




* Fonte: Globo.com

No país das maravilhas

O site In Case You Didn’t Know divulgou a primeira imagem do visual de Johnny Depp (de Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet e Piratas do Caribe) no longa Alice no País das Maravilhas, dirigido por Tim Burton. Na trama baseada em obra clássica de Lewis Carroll, o ator interpreta o excêntrico Chapeleiro Maluco, o famoso personagem viciado em chá.

Com o visual totalmente diferente da clássica versão feita por Walt Disney, esta nova apresenta todos os traços dark e sombrios característicos dos filmes de Burton - basta lembrar de A Noiva-Cadáver, a refilmagem de A Fantástica Fábrica de Chocolate entre outros. A participação de Johnny Depp foi confirmada em setembro, em uma apresentação, no Kodak Theater, feito pelo estúdio para revelar seus próximos lançamentos e que contou com a presença do ator.

Além de Depp também estão no elenco Anne Hathaway (de Agente 86 e O Diabo Veste Prada), como a Rainha Branca; Michael Sheen (de A Rainha), cujo personagem ainda não foi divulgado; Crispin Glover (de A Lenda de Beowulf), que irá interpretar o Valete de Copas; e Helena Bonham Carter (de Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet), que será a Rainha de Copas.

A Disney afirmou que o longa-metragem irá ser produzido com a mesma técnica que Robert Zemeckis usou em A Lenda de Beowulf, a captura de performance 3D.

Com roteiro de Linda Woolverton (de O Rei Leão e A Bela e a Fera), a nova versão de Alice no País das Maravilhas está previsto para estrear nos cinemas americanos em março de 2010.

(shirley paradizo)

Direto Metro City

Foi divulgado o primeiro trailer do longa animado em CG de Astro Boy, produzido pela Imagi Studios (a mesma de As Tartarugas Ninjas). Se alguém tinha receio da versão cinematográfica do clássico desenho dos anos 60, com esta pequena demonstração, com certeza, vai ficar mais animado.

A direção do animado está nas mãos de David Bowers (de Por Água Abaixo) e tem roteiro de Timothy Harris (de Um Tira no Jardim de Infância). No elenco de vozes, Freddie Highmore (no papel título), Nicolas Cage, Donald Sutherland, Nathan Lane, Bill Nighy, Eugene Levy e Kristen Bell.

Baseado no mangá/animê criado pelo mestre Osamu Tezuka, em 1952, Astro Boy acabou tornando-se o propulsor da maior indústria de animação do mundo, conquistando também o público norte-americano. O personagem-título é um menino robô que vive na futurística Metro City e foi criado por um cientista para substituir o filho perdido.

Astro Boy tem superpoderes que foram adquiridos devido a um reator nuclear dentro de seu corpo. Apesar de fazer de tudo para agradar seu "pai", ele não consegue fazer com que o pesquisador esqueça sua dor. Assim, o pequeno herói embarca em uma jornada em busca de aceitação e, de quebra, ajuda a salvar o mundo de ameaças.

O animado está previsto para ser lançado no Brasil em novembro de 2009. Confira o vídeo abaixo.



(shirley paradizo)

Da minha coleção




Nem sempre monstros são seres assustadores e desprezíveis. Eles também podem ser criaturas simpáticas, fofas e cheias de charme, como os protagonistas deste curta/vinheta de abertura do Cartoon Forum, que aconteceu na Alemanha, em setembro deste ano. A animação foi criada por estudantes alemães da Filmakademie Baden-Wurttemberg. Vale conferir.


(shirley paradizo)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Garfield em nova aventura

Ao que tudo indica, o gato mais fofo, comilão e preguiçoso do planeta vai ganhar as telas de cinema novamente. A Palyarte deve lançar em maio de 2009, a A Festa do Garfield (Garfield’s Fun Fest), produção dirigida por Kyung Ho Lee e Mark Dippe. Desta vez, o felino laranja pretende ganhar o primeiro lugar no já tradicional concurso de humor e, de quebra, ainda ficar com a garota Arlene.

Garfield é favorito ao título de comediante do ano no Fun Fest, mas um belo e novato bichano chamado Ramone pode pôr um fim nos seus planos. Para garantir que vencerá o concurso e o coração de Arlene, Garfield e Odie partem para uma jornada em busca da lendária água da diversão. Confira o trailer abaixo.


(shirley paradizo)

Caindo na estrada

Na onda das inúmeras adaptações cinematográficas de comic books, Estrada para Perdição (2002) ganhará duas seqüências: Road to Purgatory e Road to Paradise (respectivamente, Estrada para Purgatório e Estrada para Paraíso), segundo o The Hollywood News. Max Allan Collins, escritor da história original em que o primeiro filme foi baseado, irá roteirizar e dirigir os outros dois filmes.

Road to Purgatory vai contar a história de Michael Sullivan Jr. (Tyler Hoechlin), filho do personagem de Tom Hanks (de O Código Da Vinci) no longa de 2005, que volta da Segunda Guerra Mundial determinado a vingar o assassinato de seu pai. Já Road to Paradise deverá concluir a trama iniciada no segundo filme.

Ambientado na década de 1930, durante a depressão americana, Estrada para Perdição mostra a vida de Michael Sullivan (Hoechlin), um garoto de 11 anos que descobre que seu pai (Hanks) não é o herói que ele imaginava, mas um assassino e capanga do mafioso John Rooney (Paul Newman). Após presenciar o pai em ação, o jovem Michael fica amendrontrado e foge.

Road to Purgatory será dedicado ao ator Paul Newman -(indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante pela atuação no primeiro longa), que morreu em setembro deste ano.

(shirley paradizo)

Seu filho vê: Animalucos

Um grupo de animais tem uma vida que qualquer um sonharia. Estrelas de um famoso zoológico, os Animalucos estão sempre no centro das atenções e nunca lhes falta nada. Certo dia, porém, o destino bate à sua porta e eles são transferidos para uma remota e antiga fazenda no meio do campo. A vida simples do campo ganha um novo significado para quando eles precisam armar planos para defender seu lar de criaturas bizarras como tomates alienígenas gigantes, abóboras e batatas monstros geneticamente modificados.

Palavra de especialista: “A maior lição que esses divertidos animais ensinam para as crianças é a importância de se aprender a conviver e a enfrentar os desafios que aparecem à sua frente no dia-a-dia. Afinal, a vida sofre mudanças incessantes, que podem trazer surpresas agradáveis ou novos problemas.” - Gisela Wajskop, diretora do curso de Pedagogia do Instituto Superior de Educação de São Paulo/Singularidades

Exibição: segunda a sexta, 22h30, Jetix

Indicação: a partir de 7 anos

(shirley paradizo)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Da telinha para os cinemas

E mais uma série animada vai ganhar versão em carne e osso. A Imax Corporation e a Fox revelaram que Avatar irá ser lançado simultaneamente nas telonas em formato Imax 3D e nos cinemas convencionais. "Temos como objetivo revolucionar as filmagens 3D em live-action e eu não tenho dúvida de que o filme ficará incrível no formato Imax 3D", revelou o diretor James Cameron.

O novo trabalho do diretor de Titanic conta com um elenco para ninguém botar defeito: Sigourney Weaver (de Alien e Doce Trapaça), Wes Studi (de O Novo Mundo), Peter Mensah (de Mar de Fogo), CCH Pounder (da série The Shield), Laz Alonso (de Soldado Anônimo), Michael Biehn (de Garotas sem Rumo), Zoe Saldana (de Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra), Michelle Rodriguez (de Resident Evil) e Stephen Lang (de Deuses e Generais).

A nova tecnologia usada por Cameron será tão avançada que vai captar o movimento dos atores e transforma-los em seres tridimensionais, sem necessidade de pós-produção.

Com valor estimnado em torno de US$ 220 milhões, Avatar deve chegar aos cinemas em dezembro de 2009.

(shirley paradizo)

Clássicos em 3D

Para os fãs dos animados clássicos da Disney uma boa notícia. De acordo com a revista Variety, o estúdio planeja relançar, em 2010, uma versão 3D do filme A Bela e a Fera, única animação a concorrer a um Oscar de melhor filme. Para isso, o produtor Don Hahn e os diretores Kirk Wise e Gary Trousdale, responsáveis pela obra-prima, afirmaram que estão usando os arquivos originais para criar mais uma produção Disney 3D - daquelas para assistir com óculos especiais.

Essa será a 11ª produção do estúdio nesse formato e irá demorar cerca de 10 meses para ser finalizada, com previsão de lançamento em 2010. “Voltando para os arquivos originais de animação, que tem sido cuidadosamente arquivados por 17 anos, e usando um plano de fundo separado, efeitos e elementos de animação de personagens, nós seremos capaz de criar uma divertida e única experiência 3D para novos e antigos fãs do filme”, afirmou Hahn.

Além de A Bela e a Fera, a Disney pretende levar outros clássicos no formato, como Toy story e Toy Story 2, aos cinemas.

(shirley paradizo)

Novos degelos

E por falar em A Era do Gelo 3 (Ice Age: Dawn Of The Dinosaurs) vale lembrar que o animado está sendo produzido pela Fox Animation Studios em parceria com o Blue Sky Studios e conta novamente com a direção do brasileiro Carlos Saldanha. A seguir, confira um bate-papo com o diretor, com quem conversei, em 2006, para uma matéria sobre Robôs, publicada na revista Monet. A entrevista não é atual, mas dá conhecer um pouco do que é Saldanha: um cara simples, pai de família e muito, muito apaixonado pelo que faz.

Atualmente, as animações procuram aproximar a fisionomia dos personagens ao ator que lhes dará a voz, como em Espanta Tubarões. Vocês nunca tiveram essa preocupação?
Não. Sempre criamos o personagem primeiro e, depois, buscamos a voz que representa melhor o tipo de personalidade que queremos.

Quanto tempo um animado como Robôs ou A Era do Gelo leva para ser produzido?
Geralmente um filme de animação leva uns quatro anos para ser feito. No caso de A Era do Gelo 2 nosso tempo foi reduzido e tivemos de fazer o filme com um ano a menos. Já Robôs atrasou no cronograma e com, isso, perdemos alguns meses preciosos de produção. Além disso, por uns seis meses tive de trabalhar nos dois longas ao mesmo tempo. Foi bem puxado, mas eu sabia do desafio. Acredito que consegui fazer o filme que queria, sem sacrificar a qualidade. Esse cronograma apertado, porém, foi uma exceção e, apesar da experiência ter sido positiva, gostaria de ter tido um pouco mais de tempo.

O que é mais difícil em um filme animado lapidar o roteiro ou desenvolver as técnicas de animação?
O roteiro é sempre o desafio maior. Um bom filme tem que ter uma boa história e personagens cativantes. Sem esses ingredientes não há tecnologia que salve uma animação, mas inovar e aprimorar técnicas de animação é sempre um desafio neste mercado competitivo. O público está cada vez mais exigente.

A Era do Gelo 2 foi sua primeira investida solo na direção. Como foi essa experiência?
Com a experiência obtida co-dirigindo A Era do Gelo e Robôs, a transição foi tranqüila. Os executivos da Fox confiavam no meu trabalho e eu estava pronto para o desafio. Tive muito mais responsabilidades, mas também mais liberdade criativa, além de um apoio incrível de toda a equipe.

Você já concorreu duas vezes ao Oscar, mas, quando se menciona vitórias de diretores brasileiros no prêmio, seu nome não é citado. Acha que existe preconceito contra os diretores de animação, tanto no Brasil como nos EUA?
Não acredito nisso. Há uma divisão de tipos de filmes. Mesmo aqui nos EUA, onde filmes de animação fazem mais sucesso que os live-action, existe essa divisão, inclusive tem até categoria própria no Oscar. Um ator ou diretor de cinema é mais conhecido do público e da mídia do que o de animação. Afinal, passamos a maior parte do tempo no estúdio, trabalhando no computador.

Como você foi parar na Blue Sky?
Fiz mestrado de animação de computação gráfica na School of Visual Arts, em Nova York, e o Chris Wedge, que na época estava montando a Blue Sky, me ofereceu uma oportunidade de trabalho e, claro, aceitei. Na época, a companhia era bem pequena. Quando comecei, dirigia comerciais de TV, depois fui supervisor de animação em Joe e as Baratas e diretor de animação de O Clube da Luta.

O desenvolvimento da tecnologia no setor de animação possibilitou até mesmo a criação de um filme com atores digitais, o Final Fantasy. Não existe limite para essa evolução?
A busca pela invoção continua e a tecnologia está cada vez mais sofisticada. Acredito que o limite vai depender do processo criativo de cada um. Particularmente, não tenho muito interesse pelo lado realístico da animação, prefiro ainda explorar o lado estilizado dos personagens e da desenho.

Na sua opinião, a animação convencional está com os dias contados?
Não acredito. No ano passado, os melhores longas de animação foram de técnicas convencionais, como Wallace & Gromit. Os filmes de computação ainda têm um grande apelo visual com o público, mas, no final, o que vale mesmo é uma boa história para contar. O mercado tem espaço para todo mundo.

O que se deve esperar em termos de avanços tecnológicos para a área de animação nos próximos anos?
A cada filme, novas técnicas são criadas para solucionar os desafios criativos dos artistas. Como diretor, busco explorar os limites técnicos para alcançar um resultado visual único e inovador para meus filmes. O maior desafio que estamos enfrentando no momento não é tecnológico, mas criativo. A busca de roteiros com idéias novas e interessantes são, e sempre serão, o grande desafio para a indústria de animação.

Você tem acompanhado a evolução da animação no Brasil?
Tento manter contato com profissionais do ramo no Brasil e, sempre que posso, vou ao Anima Mundi. Assim consigo me manter informado. A qualidade dos trabalhos que vejo tem evoluído bastante. Acho que o mercado está crescendo, mas ainda é muito pequeno. O custo é relativamente alto, mas fico torcendo para que haja mais investimentos nessa área.

Pretende voltar ao Brasil ou fazer algum filme brasileiro?
Seria muito bom poder fazer um filme no Brasil, mas, no momento, a minha vida profissional está nos EUA. Não faço muitas projeções, se um dia tiver uma oportunidade interessante, quem sabe...

(shirley paradizo)

Manny e cia. estão chegando

Depois de um longo período sem nenhuma notícia sobre o terceiro filme da franquia A Era do Gelo, eis que surge, para a alegria de muitos, um novo pôster do animado dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha. A imagem traz Scrat na boca de um dinossauro e um novo personagem... Seria uma esquila para fazer companhia ao atrapalhado amante de nozes? Ou uma raposa?

Além de Scrat, retornam para essa nova aventura o mamute Manny, o bicho-preguiça Sid o tigre dente-de-sabre Diego. A animação conta com as vozes de Denis Leary, Drea de Matteo, John Leguizamo, Queen Latifah e Ray Romano e tem estréia prevista nos cinemas nacionais para 1º de julho de 2009. Visite o site oficial.

(shirley paradizo)

Criança & TV: Você é o filtro

Antes de virar a rotina da criança de cabeça para baixo e esconder o controle remoto, pense em como você influencia a relação dela com os meios de comunicação. E um bom critério na hora de optar por um programa é se perguntar: meu filho aprende alguma coisa com ele? O conteúdo do que seu filho assiste é tão importante quanto o tempo que fica diante dele . "A criança não é passiva. Durante o programa, ela atribui sentido às coisas e faz isso de acordo com suas capacidades cognitivas e de raciocínio", diz Claudemir Edson Viana, pesquisador do Lapic (Laboratório de Pesquisas sobre Infância, Imaginário e Comunicação), da USP.

Uma prova disso é o programa LazyTown, exibido no canal Discovery Kids. "A criança é incentivada pelos personagens a se exercitar, e faz isso durante o episódio", afirma Magnus Scheving, criador e ator do programa. Se escolher o que ela vê e se certificar que é ideal para sua faixa etária, o aproveitamento será maior. Tenha em mente que o conteúdo educativo é qualquer coisa que faça seu filho pensar, estimule a fantasia, exercite o imaginário e diga respeito ao cotidiano dele. E isso varia de acordo com a criança.

Por exemplo, o Castelo Rá-Tim-Bum tem, sem sombra de dúvida, grande potencial educativo. E não só pelo ratinho que incentiva o tomar banho, mas por apresentar também personagens contraditórios como o Nino, que pode ser doce com os amigos ou irritado quando algo não vai do jeito que ele quer. Não há maniqueísmo, ou seja, não há divisão entre o Bem e o Mal.

O programa da Xuxa, por exemplo, também abordava o mesmo conteúdo – higiene –, só que a forma é diferente. “Xuxa imagina a criança sentada em frente à TV, como na sala de aula, atenta às mensagens e suas atrações. É convidada a participar, mas só sob a orientação da ‘professora’ Xuxa e sem sair de sua carteira. Já Castelo e Cocoricó imaginam seu telespectador não como em uma sala de aula tradicional, mas participante de um grupo de trabalho, de uma coletividade. Está atento não só às mensagens preestabelecidas, mas às conexões com suas experiências, com seu cotidiano e com sua fantasia”, diz Cláudio Márcio Magalhães, pesquisador, jornalista e autor do livro Os Programas Infantis da TV – Teoria e Prática para Entender a Televisão Feita para as Crianças (Ed. Autêntica).

Ou seja, escolher um programa de televisão com intenção educativa para o seu filho é quase como optar pelo projeto pedagógico de uma escola.

Qual faz sentido para você?
Até mesmos desenhos como Pica-Pau e Tom & Jerry são educativos, pois não apresentam personagens maniqueístas, ou seja, com os valores de bondade e maldade definidas. A criança se identifica com isso. “Em A Vaca e o Frango e Sorriso Metálico, a questão da nova família é retratada. O primeiro aborda o tema da adoção, enquanto que o segundo mostra uma garota que tem pais separados”, afirma Magalhães.

Os desenhos atuais retratam bem a rotina infantil, com informação por todos os lados. São histórias que misturam tecnologia, poucas falas, muita ação e uma moral. Se pararmos para pensar, são bem parecidos com os desenhos do Pica-Pau criados nos anos 40. Portanto, o melhor entretenimento para o seu filho é, na verdade, vários. “Existem diversos estilos de desenhos porque vivemos em muitas realidades diferentes. O melhor é diversificar a programação”, diz o especialista.

* Texto de Cristiane Rogerio e Tamara Foresti, publicado originalmente no site da revista Crescer

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Mickey Mouse faz 80 anos

O personagem animado mais famoso do planeta - o Mickey Mouse, claro - celebra 80 anos hoje de vida e poucos lembraram de seu aniversário - inclusive essa blogueira que vos fala quase deixou a data passar em branco! Bem, perdoável para mim, imperdoável para o estúdio que o criou. Afinal, nem mesmo a Disney se empenha atualmente em comemorar a data com pompa, como fez em 1978 (50 anos) e 1988 (60 anos). Em 1998, a festa foi realizada, acredite, pelos japoneses na Disneylândia de Tóquio. Abaixo segue um texto da agência EFE em homenamgem ao roedor.

Pode ser que Mickey Mouse não envelheça, mas sua carteira de identidade assegura que hoje ele completa 80 anos de uma vida dedicada a arrancar sorrisos entre as crianças. Esse pequeno roedor, grande apreciador do calção vermelho, sapatos amarelos e luvas brancas, com um eterno sorriso estampado no rosto é o grande personagem da Disney. Apareceu pela primeira vez nos cinemas em Nova York, onde foi exibido o curta-metragem Steamboat Willie, em 18 de novembro de 1928.

No filme, Mickey aparecia a bordo de um barco a vapor comandado pelo malvado capitão Pete Pata de Palo, que o obrigava a descascar batatas enquanto descobria o gosto do rato pela música. Essa foi a primeira história da qual Mickey fez parte, ainda que não seja o registro oficial de sua estréia.

Na época, ele era caracterizado com olhos representados por dois pontos negros, suas orelhas eram longas, e não redondas, e sua pele era branca ao invés de rosa, cor que foi adquirir em 1935.

O rato mais famoso do mundo, que originalmente era dublado pelo próprio Walt Disney, é um ícone da cultura norte-americana e representa a imagem de uma das maiores potências do cinema mundial. O personagem já apareceu em dezenas de filmes, como "Fantasia", de 1940, além de curtas-metragens e especiais para a televisão. Em muitos desses trabalhos Mickey aparece acompanhado de sua mulher, Minnie, e sua turma de amigos, formada por Pateta, Pato Donald e seu mascote, Pluto.

Nascido casualmente
A criação de Mickey foi fruto de uma casualidade, já que o primeiro personagem da Disney deveria ser o coelho Oswald que, por questões legais, acabou se transformando em um rato. Com um esboço de Oswald em mente, Walt Disney, junto com o animador Ub Iwerks, desenvolveu a idéia que deu forma ao roedor. E foi Iwerks quem batizou o personagem.

Batizado inicialmente como Mortimer, foi idéia da esposa de Walt Disney, Lilly, trocar o nome para algo mais familiar, como Mickey, nome que iria imortalizá-lo. Em 1932, a Academia de Hollywood premiou a Disney com um Oscar pela criação do personagem.

Durante os anos, Mickey se transformou no primeiro personagem animado a ganhar uma estrela na Calçada da Fama, em Hollywood, em comemoração aos seus 50 anos.

O personagem continua bastante ativo na televisão, onde apareceu dublado por Jim MacDonald (entre 1947 e 1977) e por Wayne Allwine (desde 1977 até hoje). Curiosamente, Allwine é casado com Russi Taylor, que faz a atual voz de Minnie Mouse.

Mickey continua aparecendo na televisão na série A Casa do Mickey Mouse, exibida pelo canal pago Disney Channel.

Confira agora um vídeo do filme Steamboat Willie.

(shirley paradizo)

Pingüim ganha novo animado

Os fãs do pingüim sapateador já podem comemorar! A continuação de Happy Feet: O Pingüim, vencedor do Oscar 2007 de Melhor Animação, já está em andamento e será produzida em Sydney, Austrália. O anúncio foi feito pelo ministro do desenvolvimento australiano, Ian Macdonald, ao jornal The Age.Cerca de 438 pessoas trabalharão no projeto, nos próximos três anos. A nova produção digital deverá impulsionar a indústria cinematográfica local, criticada nos últimos anos por falta de investimentos.

George Miller (Mad Max) dirigirá novamente a animação. "Esse incentivo do governo é um passo significante. Isso nos permite produzir Happy Feet 2 em Sydney e esta será a primeira de muitas produções do nosso novo estúdio digital", contou o diretor ao mesmo jornal.

A trama mostra o mundo dos pingüins, na Antártica, onde os animais que melhor conseguem cantar são os que arrumam as melhores parceiras na hora do acasalamento. Mano é um pingüim que nasceu sem a habilidade vocal, mas, em compensação, é um grande dançarino. Por seu talento ser considerado anormal, ele acaba tendo de sair de sua comunidade para provar sua teoria sobre a "dança do acasalamento", o sapateado. No caminho, ele conhece um grupo de pingüins liderado por Amoroso.

Happy Feet: O Pingüim arrecadou US$ 384 milhões nas bilheterias mundias.

(shirley paradizo)

Watchmen em cena

O trailer do aguardado Watchmen, adaptação da HQ de Alan Moore e Dave Gibbons, já está disponível. Cheio de efeitos especiais, discussões filosóficas e trilha de Bob Dylan, a produção tem estréia prevista para 6 de março de 2009.

O filme se passa em uma realidade alternativa, na qual ainda existe a Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética, mas os americanos têm ampla vantagem por contarem com o apoio dos super-heróis. Neste mundo imaginado por Moore, todos usam carros elétricos e viajam em zepelins rápidos e ecológicos, graças às inovações tecnológicas trazidas pelos super-heróis, que, no entanto, foram proibidos de atuar na década de 1970.

Em entrevista em Londres na semana passada, onde esteve para exibir 30 minutos do filme, o diretor Zack Snyder, responsável por 300, reconheceu que, quando recebeu a proposta de fazer a produção, pensou duas vezes. No final, decidiu apostar em Watchmen e mudar o final da história original, sabendo que, se no fim a aventura não for bem-sucedida, terá sido "sua culpa".
Snyder disse que o filme, rodado em Vancouver, no Canadá, e que ainda não está totalmente finalizado, terá duas horas e meia de duração, mas haverá uma versão de três horas e meia para DVD.

Na adapção dos quadrinhos, o vigilante Rorschach será interpretado por Jackie Earle Haley. Billy Crudup (de Quase Famosos), será o Dr. Manhattan, enquanto Malin Akerman fará Espectral, que depois se torna namorada do Coruja, vivido por Patrick Wilson. Matthew Goode fará Ozymandias. Jeffrey Dean Morgan ficou com o papel do Comediante, um herói politicamente incorreto que na série ajuda os Estados Unidos na guerra do Vietnã.

O diretor, que admitiu que pediram que não houvesse excessiva violência e cenas sexuais no filme para que seja apta para os espectadores mais jovens, indicou que na produção há heróis dos quais as pessoas não gostam, que fazem as coisas erradas e que nela o "vilão" deseja a paz mundial. Snyder tentou que o escritor Alan Moore (de V de Vingança e From Hell), fizesse parte do projeto, mas que ele recusou por ter vivido "más experiências com Hollywood". Já o ilustrador Dave Gibbons contribuiu com o processo criativo. Confira o vídeo abaixo


* Fonte: site Globo.com

Muita animação!

Se você adora fazer arte animada, não pode perder esta. O Ministério da Cultura abriu as inscrições para o projeto AnimaTV, que tem como objetivo estimular o desenvolvimento da indústria brasileira de animação, a partir da sistematização de ações que visam a geração de projetos de série de animação em diversos pontos do país.

Além disso, também pretende realizar ações regionais de capacitação que reforçam a cultura da série de animação para televisão; a articulação de um circuito nacional de teledifusão de séries de animação brasileiras; a dinamização da produção entre estúdios no território nacional; e a inserção da animação brasileira no mercado internacional.

O AnimaTV irá selecionar os projetos de série de animação que contemplem tanto o potencial de geração de audiência junto aos públicos telespectadores brasileiros quanto o de co-produção (nacional e internacional). Em relação ao conteúdo das animações, o ministro da Cultura, Juca Ferreira, informou que o Minc não tem intenção ou pretensão de interferir no conteúdo das produções.

Mais informaçõs sobre o projeto AnimaTV podem ser encontradas no blog no Minc. Confira o vídeo.


(shirley paradizo)

Estante: Vegetais - Os Piratas que Não Fazem Nada

Um barco carregado de amigos vegetais embarca em uma divertida aventura pirata com muito humor e canções. Em Vegetais - Os Piratas que Não Fazem Nada (R$ 39,90, Universal), o Elliot, o preguiçoso Sedgewick e o inseguro George sonham em participar de um show de piratas do tipo musical.

Certo dia, um misteriosa bola cai do céu e envia a trupe para o passado, mais precisamente na época em que os verdadeiros piratas dominavam os sete mares. Agora eles têm de resgatar a família Real de um poderoso tirano. Mas para que a missão dê certo, eles têm de aprender a ser piratas para valer.

Dirigido por Mike Nawrocki e escrito por Phil Vischer, o animado é uma boa pedida para crianças pequenas: tem humor, muita cor, personagens cativantes e foge do convencional - nada de animais como protagonista, são os vegetais que brilham aqui.

Como curiosidade, Vegetais - Os Piratas que Não Fazem Nada é o segundo longa-metragem da franquia Os Vegetais, O primeiro foi Jonah e os Vegetais, em 2002. Os outros filmes são considerados médias-metragens, com tempos que variam entre 25 e 45 minutos.

Indicação: a paritr de 2 anos

(shirley paradizo)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Estréia: Nova temporada de Backyardigans

Os bichinhos mais adorados pelas crianças na TV vão ganhar um novo amigo. Na terceira temporada de Backyardigans, o alce Tyrone, a hipopótamo Tasha, o pingüim Pablo, o canguru Austin e a criaturinha rosa Uniqua vão receber, em alguns episódios, a visita de um dinossauro chamado Boy.

Ele dá as caras a partir da aventura O Meu Melhor Amigo da Caverna, com exibição marcada para o dia 19 de novembro. Neste episódio, a turma brinca em Rockville, na idade de pedra, e Austin aparece triste por ter perdido seu bicho de estimação. Para recuperá-lo, ele terá como desafio aprender a assobiar.

O terceiro ano abre com o capítulo Duelo no Monte de Olimpo, que vai ter muito samba (a música, literalmente) como pano de fundo da história. Nele, Tyrone aparece como meteorologista de uma TV na Grécia e apronta algumas confusões nas previsões do tempo.

Criada por Janice Burgess, a série animada é exibida em 54 países e conta com mais 800 produtos licenciados. O programa se destaca por valorizar a imaginação infantil, uma vez que a turma transforma o quintal em palco de aventuras fantásticas, que podem se passar em oceanos ou desertos. Seus pontos altos são as canções em vários estilos e a ginga dos bichos. Cada coreografia é desenvolvida por dançarinos profissionais. O trabalho, dirigido por um coreógrafo, é filmado e serve de referência para que os animadores coloquem os personagens para dançar.

Em entrevista por telefone à Folha de S.Paulo*, Burgess falou das novidades, revelou de onde tirou a idéia para a série e se disse "triste e com raiva" de ver seu "trabalho de anos" ser usado na venda de produtos piratas.

De onde você tirou a idéia de criar uma série em que os personagens vivem grandes aventuras no quintal?
Quando recebemos a encomenda de criar algo, nossa experiência é muito importante. E eu, quando era criança, costumava brincar com meus amigos no quintal.

Por que inventou a personagem Uniqua, que não é nenhum bicho de verdade?
É uma das minhas personagens mais queridas. As pessoas são diferentes e únicas, assim como ela é.

Por que usa estilos tão diversos nas canções, da música clássica ao rock?
Porque posso usar. O compositor me diz: "Não quero ter que pensar em algo novo para todos os episódios!". E eu respondo: "Deixa que eu penso". Não há muita razão, escolhemos diferentes ritmos para ter diversidade.

Estréia: dia 17, segunda, 10h; reprises 17h30, Discovery Kids

Indicação: a partir de 2 anos

(shirley paradizo)

* Entrevista realizada por Laura Mattos, da Folha de S.Paulo

Mundo encantado

O cineasta John Boorman (de O Alfaiate do Panamá), recentemente assinou contrato para dirigir uma versão em CGI do clássico O Mágico de Oz, que conta a história de Dorothy (eternezida no clássico de 1939 por Judy Garland). Para quem não lembra da história - o que acho difícil - ela é uma garotina que vive com os tios em uma fazenda no Kansas. Mas, por causa de um ciclone, ela e seu cãozinho, Totó, são levados para a lendária terra de Oz. Na Cidade Esmeralda, a menina trilha a mais famosa rua da história do cinema: a estrada dos Tijolos Amarelos.

Enquanto procura o caminho de volta para casa, Dorothy conhece grandes amigos, como o Espantalho, o Homem-de-Lata e o Leão Covarde, descobrindo que está em um mundo de sonhos que viram realidade, de florestas encantadas e recheadas de maravilhosas canções.

Inspirado no clássico da literatura escrito por L. Frank Baum, o filme terá um curto orçamento de US$ 25 milhões e, em vez dos números musicais, terá apenas trilha sonora. O lançamento está previsto para ser lançado em 2010.

(shirley paradizo)

De volta à terra dos pequeninos

Recentemente, a Fox autorizou o início da produçãode uma versão de As Viagens de Gulliver para as telonas. Segundo a revista Variety, Jack Black (de Kung Fu Panda) irá protagonizar o longa, dirigido por Rob Letterman (de Monsters Vs. Aliens e O Espanta Tubarões).

Escrito por Jonathan Swift, em 1726, este clássico da literatura já foi adaptado diversas vezes para as telonas e para a TV. Foram cerca de 10 longas (dois deles para TV) e uma série de TV. Nesta nova versão, Black irá viver o escritor aventureiro Gulliver, que acaba preso na ilha de Lilliput quando faz uma viagem para as Bermudas. Como na história original, os liliputianos são homenzinhos com menos de 15 centímetros de altura que vivem brigando por futilidades.

O roteiro do filme está nas mãos de Nicholas Stoller (de As Loucuras de Dick e Jane) e Joe Stillman (de Shrek) e as filmagens estão previstas para começarem em março de 2009.

(shirley paradizo)

Literatura: A Oxford de Lyra

Os fãs da trilogia Fronteiras do Universo (A Bússola de Ouro, A Faca Sutil e A Luneta Âmbar) mais uma vez poderão se deliciar com a literatura envolvente e rica de significados do premiado autor Philip Pullman – mesmo que desta vez seja apenas um tira-gosto. A pequena Lyra Belacqua está de volta agora em uma mini-aventura.

Em A Oxford de Lyra (R$ 19,90, Objetiva), Pullman nos leva de volta ao universo fantástico de seus personagens, cujas almas caminham ao lado dos corpos em forma de animais falantes. A história em questão começa dois anos antes de A Luneta Âmbar. A nossa heroína e seu dimon Pantalaimon continuam a morar na Faculdade Jordan, em Oxford (“versão” da cidade inglesa para o mundo da protagonista), e a desfrutar a paz dos dias ensolarados.

Certo dia, a garota recebe a visita inesperada de um pássaro estranho – o dimon de uma feiticeira – que busca ajuda para encontrar um elixir raro, capaz de salvar a vida de sua mestra doente. Lyra e Pan decidem ajudá-lo a encontrar o único alquimista que possui a poção para a cura. Quanto mais a dupla embarca fundo nessa jornada mais Lyra tem a sensação de que algo está errado.

"A Oxford de Lyra é uma espécie de degrau entre a trilogia e o livro que virá em seguida. Achei que seria divertido acrescentar alguns documentos e miscelâneas do mundo de Lyra, como um mapa da Oxford que ela conhece, e conforme eu fazia isso, sentia que a história começava a ganhar forma”, explica Philip Pullman, ganhador do prestigioso prêmio Astrid Lindgren Memorial, da Suécia, pelo conjunto de sua obra.

O tal mapa que o autor cita vem dobrado no livro e dá um charme a mais para o visual da obra, bem como outras interferências gráficas – entre elas, um cartão postal de Oxford, enviado por uma personagem importante da trilogia. Esses mimos, aliás, nos dão algumas pistas sobre as futuras aventuras de Lyra e Pantalaimon. Leitura obrigatória para os fãs da trilogia.

(shirley paradizo)